A expressão “Viver em obséquio de Jesus Cristo” vem do apóstolo Paulo (2Cor 10,5). Ela tem o mesmo significado de seguir Jesus. “Seguir Jesus” indica três coisas:

1. Imitar o exemplo do Mestre. Jesus era o modelo a ser imitado. Convivendo com Jesus, o discípulo tinha diante de si o modelo de vida do Mestre. (Jo 13,13-15)

2. Participar do destino do Mestre. Não basta imitar a vida, o discípulo deve seguir o Mestre, e estar com ele nas tentações (Lc 22,28), disposto a morrer com ele (Jo 11,16; Mc 15,41s)

3. Ter a vida de Jesus dentro de si. Como diz São Paulo: “Vivo, mas não sou eu, é Cristo que vive em mim” (Gl 2,20). Identificar-se com Jesus ressuscitado.

Jesus é uma presença constante na Regra do Carmo, do começo ao fim. Eis os números da Regra em que o nome de Jesus é mencionado explicitamente:

Rc 2:      No prólogo, a Regra define o ideal da vida no Carmelo: “viver em obséquio de Jesus Cristo e servir a ele de coração puro e consciência serena”.

Rc 10:    O caminho para chegar a esse ideal é “meditar dia e noite na lei do Senhor”. O Senhor é Jesus. Sua lei é o evangelho a ser meditado nas vigílias de oração.

Rc 14:    A fonte para manter-se neste caminho é a Eucaristia diária no oratório, onde se vive o Mistério da morte e ressurreição de Jesus.

Rc16:     Um meio importante para não perder o rumo é a contínua atenção à pessoa de Jesus, “desde a exaltação da Cruz até o dia da Ressurreição”.

Rc18:     Um aviso é dado “aos que querem seguir Jesus”: vocês terão muita perseguição e terão a cruz como parte da sua vida.

Rc20:     No conselho para ler as cartas de Paulo se diz que Jesus nos fala pela boca de Apóstolo Paulo. Suas cartas ensinam como ter em nós os mesmos sentimentos que animavam a Jesus.

Rc20:     Aos que não levam a sério o evangelho, a Regra ordena e suplica, “em nome de Senhor Jesus Cristo”, para que trabalhando em silêncio ganhem seu pão.

Rc21:     A Regra recomenda a prática do silêncio, pois conforme a palavra do Senhor no Evangelho, de toda palavra inútil teremos de prestar conta a Deus.

Rc22:     Pede ao prior que procure imitar o exemplo de serviço que Jesus nos dá no Evangelho: “Quem quiser ser o primeiro deve ser o servo de todos”

Rc23:     Aconselha aos súditos de ver a Jesus na pessoa do superior: “Quem ouve a vocês é a mim que ouve”

Rc24:     Suscita em todos a esperança do retorno de Jesus quando, evocando a parábola do Samaritano, diz que “o Senhor na sua volta nos pagará”.

O prólogo da Regra apresenta o “viver em obséquio de Jesus Cristo” como o ideal supremo da vida no Carmelo. No texto da Regra, Jesus aparece como caminho para se chegar a realizar este ideal. Na conclusão da Regra, Jesus é aquele cuja presença se busca e cuja vinda se espera. Assim, ao longo das páginas da Regra, do começo ao fim, Jesus aparece como ideal de vida, como fonte e ajuda no caminho; como exemplo e motivo de esperança. Como aquele que chama, anima, avisa, orienta, critica, suplica, ordena, recomenda, propõe, sugere e aconselha.


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui