* As frases da Regra sobre a prática do Silêncio

1). Descreve o valor do silêncio. Cita duas frases do profeta Isaías: “A justiça é cultivada pelo silêncio”, e “É no silêncio e na esperança, que se encontrará a vossa força”. Por ser recomendado pelo profeta, este silêncio é profético!

2). Organiza a prática do silêncio. Adapta o silêncio ao ritmo diferente do dia e da noite. O silêncio da noite nos envolve e nos faz silenciar. O dia é mais barulhento e produz distração. Exige um esforço interior maior para fazer silêncio.

3). Recomenda o controle da língua. Com frases da Bíblia, aponta os perigos do muito falar e ensina como fazer para cultivar o silêncio.

4). Aponta o objetivo do silêncio. A prática do silêncio procura evitar uma queda sem cura que conduz à morte. O silêncio enfrenta a morte e conduz à vida!

5). Resumo final: No fim, retoma a frase inicial do profeta reafirmando que a prática do silêncio é o caminho para a justiça.

* O silêncio profético recomendado pela Regra

O primeiro aspecto do silêncio profético tem a ver com a luta pela justiça e está expresso na frase de Isaías: A justiça é cultivada pelo silêncio. Cultivar a justiça pelo silêncio significa fazer silenciar, dentro de nós, tudo aquilo que impede a visão justa das coisas. Significa fazer com que a realidade apareça do jeito que ela é em si mesma e não como aparece desfigurada através da propaganda da TV e da ideologia dominante. Este primeiro aspecto do silêncio é fruto do esforço nosso. Exige disciplina e controle, estudo e reflexão. Hoje em dia, o fluxo das palavras e imagens é tanto, que nos impede de perceber a realidade tal como ela é. Envolve-nos de tal maneira, que acabamos achando normal o que, na realidade, é uma situação de morte. Por exemplo, a violência tornou-se tão normal e tão presente, que já nos acostumamos. Vivemos numa situação de morte, e não nos damos conta. E muitas vezes, o consumismo mata qualquer esforço de consciência crítica. O silêncio profético coloca o dedo nesta ferida escondida. O profeta aponta a morte, não porque gosta da morte, mas sim para que a vida possa mani­festar-se. É uma exigência da própria vida que sejam apontados os falsos e ilusórios caminhos da morte, para que possamos despertar e iniciar a mudança ou conversão, tanto na vida pessoal como na convivência social. Este cultivo consciente do silêncio gera em nós a justiça.

O segundo aspecto do silêncio profético é fruto da ação do Espírito de Deus em nós e está expresso na segunda citação do profeta Isaías: No silêncio e na esperança está a força de vocês. Desobstruído o acesso à fonte pelo esforço ativo nosso que procura conhecer a realidade tal como ela é, a água brotará de dentro de nós e inundará o nosso ser. O silêncio produzido em nós pelo confronto com a situação de morte, apesar de doloroso, é fonte de esperança e de vida. Produz a força da resistência. Dá força para a gente aguentar a situação de morte, porque acreditamos que da morte do trigo caído na terra vai brotar vida nova. É a caminhada na Noite Escura à espera da chegada da luz, de que fala São João da Cruz.


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui