São Simão recebeu o apelido Stock devido a uma decisão radical tomada aos doze anos de idade, quando decidiu deixar o aconchego de seu lar e ir habitar em uma floresta vizinha à sua cidade, dentro de um tronco (stock, em inglês) de carvalho oco, levando consigo apenas um crucifixo e uma imagem de Nossa Senhora.

Mas sua linda história de entrega começou ainda no ventre de sua mãe, que por causa de uma gravidez complicada, o consagrou à Virgem Santíssima. Tendo então, Simão nascido forte e saudável, sua mãe rezava uma Ave-Maria de joelhos antes de amamentá-lo. Alguns historiadores contam que quando ela esquecia de rezar, Simão rejeitava o leite materno.

Em sua infância destacava-se por sua disciplina e inteligência, tendo iniciado o estudo de Belas Artes no Colégio de Oxford aos sete anos e mesmo com um futuro brilhante garantido pelos pais que pertenciam ao Condado de Kent, Simão segue a voz de Deus que soava forte em seu coração, passando 20 anos na floresta, até que em sonho, a Virgem Maria lhe pede para que ele se junte aos monges que viriam do Monte Carmelo.

Nossa Senhora falava em relação aos Carmelitas, uma das mais antigas Ordens Religiosas e a primeira dedicada à devoção da Virgem Santíssima.

Uma das características de São Simão Stock era a obediência, e mesmo sem entender muito claramente o recado de Nossa Senhora, resolveu capacitar-se para tal missão. Abandonou sua vida de isolamento, voltou para casa de seus pais, retomou seus estudos, doutorando-se em Teologia e ordenando-se padre.

Passaram muitos anos até que os monges foram para a Inglaterra. Assim que o São Simão soube da chegada de monges que vinham do Monte Carmelo, prontamente foi ao encontro deles se apresentar e logo recebeu o hábito da Ordem dos Carmelitas. Em apenas dois anos foi nomeado coadjutor na direção da Ordem e mais tarde seria eleito Vigário Geral de todas as províncias da Europa.

Durante o tempo em que esteve à frente da Ordem, esta sofria inúmeras perseguições, e a presença de São Simão, com sua grande fé e devoção mariana, impulsionou a muitos a lutarem, a não desistirem. São Simão Stock enviou delegados ao papa Honório III informando a situação difícil pela qual estavam passando, pedindo proteção. Ele também convocou todos os Carmelitas a rezarem pedindo ajuda a Maria e mergulhou em profunda oração, insistindo com Nossa Senhora que cuidasse e protegesse a Ordem que era dedicada a ela.

Nossa Senhora então, apareceu a São Simão em sua cela rodeada de anjos, e em seus braços trazia o Menino Jesus e o Escapulário que o entregou como sinal de sua proteção com uma linda promessa: “Quem morrer revestido com ele será preservado do fogo eterno.” Desde então, os Carmelitas passaram a usar o Escapulário sobre o hábito.

Logo depois veio a resposta do Papa que declarava a existência legal da Ordem dos Carmelitas, autorizando a continuar suas fundações pela Europa. Essa resposta veio graças a uma nova intervenção de Nossa Senhora, que aparecendo ao papa (pois ele estava tendendo a supressão da Ordem), ordenava-lhe a “aprovar a Regra do Carmo, confirmar a ordem e protegê-la contra a investida de seus adversários”.

São Simão Stock, fortalecido pela benção do papa, seguiu difundindo o amor a Maria, os valores da vida em Cristo, fundando casas, dando preferência as cidades em que havia universidades, além de promover a mudança estrutural da ordem.

“A ordem do Carmo multiplicou-se tão prodigiosamente, sob a direção de nosso Santo, que poucos anos depois de sua morte, cerca do fim do século XIII, segundo a observação de Guilherme, Arcebispo de Tiro, essa Ordem contava já com mais de 500 mosteiros ou eremitérios, povoados por um grande número de religiosos, que o mesmo autor eleva ao número de 120 mil”  Id. ib. p. 593.

Fonte: ocarm.org


DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui