Votos Simples

1. Descrição

A profissão é um vínculo fundamental entre os terceiros e o Carmelo. A profissão temporária é realizada após o noviciado, tendo sido instruído e acompanhado na vida de oração. Com essa profissão, a pessoa se torna temporariamente um membro da Ordem Terceira Carmelita. É um compromisso assumido publicamente diante da comunidade eclesial, confirmando a decisão de seguir o Senhor, como terceiro, na espiritualidade carmelitana. O professo temporário participa plenamente na vida da comunidade, mas continua seu processo formativo, explorando em profundidade os vários aspectos da vida carmelita. Como o estado de leigo abrange incontáveis variedades de situações de vida, os novos membros são estimulados a desenvolver a criatividade ao mesmo tempo que implementam a espiritualidade carmelita na própria vida com referência a situações concretas.

No período entre a profissão temporária e a profissão final ou definitiva (mínimo de três anos e trinta encontros), o terceiro deve intensificar sua formação, amadurecer o discernimento que o conduzirá à escolha definitiva da vida carmelita leiga e aprofundar sua imersão na espiritualidade carmelita. Enquanto isso, ele é acompanhado na sua caminhada para tomar-se contemplativo e ativo no mundo; será apoiado cada vez mais de perto no seu progresso para a comunhão plena e a participação no carisma e espiritualidade do Carmelo. Com a ajuda do formador e do Assistente espiritual, identificará campos de apostolado para os quais pode ser chamado na missão do Carmelo.

Os tópicos sugeridos para esses três anos de formação necessitam de um total de trinta encontros pelo menos. Para a função de formador, o Conselho do sodalício indicará uma pessoa qualificada. Esse formador trabalhará junto com um auxiliar ou uma equipe de formação designada pelo Conselho para preparar um itinerário formativo intensivo e frutuoso, adequado a cada um dos formandos, visando os requisitos de formação objetiva.

2. Objetivos

O objetivo primeiro deste período é a permanente expansão do relacionamento pessoal com Deus por meio dos recursos inerentes à espiritualidade e carisma do Evangelho. O carisma pode ser explorado mais profundamente vivendo-o. Os candidatos são chamados para avançar, através dos recursos da espiritualidade carmelitana, na fé, na esperança e na caridade, e a assumir como sua a experiência do Carmelo.

Uma vez que a característica fundamental do Carmelo consiste em viver em obséquio de Jesus Cristo, os carmelitas leigos, neste período de formação, devem fortalecer seu relacionamento com Ele, sobretudo pela oração. Reforçados por essa experiência pessoal, eles podem assumir para si a missão de Cristo evangelizando e divulgando o Reino de Deus. Testemunham a presença de Cristo no meio de nós, particularmente na Igreja, demonstrando que Ele é o Caminho, a Verdade e a Vida. Reconhecendo que nossa vocação como cristãos e carmelitas nos impulsiona a viver a Alegria do Evangelho, que é Jesus Cristo, conforme esclarece o Papa Francisco na Exortação Apostólica Evangelii Gaudium:

“A alegria do Evangelho enche os corações e a vida de todos os que encontram Jesus.” (118)

Após a primeira profissão, os candidatos podem usufruir plenamente das riquezas do Carmelo. A comunidade deve apoiá-los a pôr em prática essas riquezas na rotina diária e ajudá-los a examinar como os valores carmelitas influenciam diferentes áreas da sua vida. Quando enfrentam dificuldades, os carmelitas leigos formandos devem ser insistentemente encorajados a pôr sua confiança em Maria, sua Mãe e Irmã, confiando que ela os sustentará na sua fragilidade, iluminará a escuridão de seu espírito com a sabedoria dela e ajudará a construir a vida deles sobre a humanidade de Cristo. Assim, a formação, que é, por sua própria natureza, um processo de transformação, faz que o professo simples cresça também em maturidade como ser humano e como cristão. É uma condição necessária para um discernimento pessoal refletido e tranquilo para o próximo passo – a profissão final.

A primeira profissão é um compromisso sério pelo qual os candidatos se tornam membros permanentes de uma comunidade concreta. A Ordem Terceira, agora, é para eles uma espécie de “lar espiritual”, e eles tornam-se irmãos e irmãs de todos os membros da Família Carmelitana mais ampla. Entretanto, neste período, o recém-professo deve envolver-se com profundidade no serviço à comunidade e em certas atividades comunitárias possíveis. Recomenda-se que sejam orientados a assumir responsabilidades concretas e a tomar parte em encontros e eventos que incluam diferentes ramos da Ordem.

3. Temas

Durante esta etapa, os candidatos, sob a condução da pessoa responsável pela sua formação, procurarão integrar os elementos da espiritualidade carmelitana no contexto da fé e da vida da Igreja como um todo. Lerão e estudarão o Catecismo da Igreja Católica e outros documentos básicos como os Documentos do Concílio Vaticano II. Dessa forma, estarão habilitados a realizar sua missão em total coerência com a Igreja, conscientes de que são uma parte de seu Corpo místico.

Os Neo-Professos da Ordem Terceira do Carmo também necessitam desenvolver os tópicos da espiritualidade carmelita a que foram apresentados no período do Postulantado. Então, tiveram de conhecer algumas figuras significativas do Carmelo e sua vida; agora, eles lerão seus textos e procurarão identificar pensamentos e ideias que podem ajudá-los a aprofundar sua própria experiência de vida. As coletâneas das obras desses santos e beatos não podem faltar: São João da Cruz, Santa Teresa de Jesus, Santa Teresinha, Santa Maria Madalena de Pazzi, Santa Teresa Benedita da Cruz, Beato Tito Brandsma e tantos outros. Os temas sugeridos para este período de formação são os seguintes:

a. A Ordem:

• Continuar o aprofundamento da Regra do Carmelo e da Regra da OTC com os comentários dos estudiosos do Carmelo.

• Expandir o conhecimento do carisma especialmente da oração carmelitana, da contemplação, da comunidade, da fraternidade, do serviço, da missão profética etc através de obras contemporâneas e comentários de estudiosos carmelitas.

• Compreender os santos carmelitas e suas obras: Santa Teresa de Jesus, São João da Cruz, Santa Maria Madalena de Pazzi, Santa Teresinha do Menino Jesus, Beato Tito Brandsma e outros.

• Compreender o sentido dos votos na Igreja e para os terceiros.

b. A vida cristã:

• Aprofundamento da Bíblia, sobretudo dos Evangelhos e das Cartas de São Paulo.

• Documentos do Concílio Vaticano II e das principais encíclicas papais sobre o laicato.

• Documentos das conferências episcopais nacionais e regionais.

• O Catecismo da Igreja Católica.

• Moral cristã: fundamentos e temas atuais; moral, sexual, bioética, moral social.

• Doutrina social, vida política e econômica.

• Vida espiritual: ideias básicas, corpo-alma-espírito, itinerário espiritual e suas etapas, significados e instrumentos, vocação à santidade.

• Conselhos evangélicos e laicato.

c) Compromissos:

• Comparecer aos encontros mensais da comunidade e às sessões de formação.

• Reservar de quinze a trinta minutos diários para a oração meditativa e silenciosa.

• Rezar a Liturgia das Moras (obrigatórias, Laudes e Vésperas), estimulando a oração das Completas.

• Participar da Missa dominical e das festas dos santos carmelitas e beatos carmelitas. Se possível, participar da Missa diária.

• Usar o escapulário diariamente.

• Participar das ações de apostolado na comunidade e na Igreja, principalmente na opção pelos pobres e marginalizados.

• Comprometer-se com alguma obra de caridade na Igreja ou outra instituição.

• Participar nas tarefas e responsabilidades do sodalício.

4. Critérios para discernimento

a. Critérios que devem ser observados pela comunidade:

• Como a pessoa melhorou no aspecto comunitário?

• Como a pessoa pôs em prática o estilo de vida carmelita?

b. Algumas perguntas que o candidato pode fazer a si mesmo para o discernimento:

• Eu me considero um membro igual aos outros na comunidade OTC?

• Fiz progressos na “subida ao Monte Carmelo”?

• Sinto-me suficientemente preparado para comprometer-me com esta promessa final? Quero viver assim por toda minha vida?

• Viver o carisma carmelitano tem me ajudado a desenvolver outros aspectos de minha vida?

c. Requisitos para os votos perpétuos:

• O candidato deve ter completado um período de 36 meses preparatório para os votos perpétuos.

• Comparecer aos encontros mensais com regularidade. 

• Concluir o programa de formação preparatório para os votos.

• Ter conhecimentos avançados sobre a história do Carmelo, a Regra, o carisma, o Escapulário, a Sagrada Escritura, liturgia, Mariologia, Missiologia e Sacramentos.

• Demonstrar aptidão para ávida de oração e de contemplação.

• Amar o serviço, aceitar o outro, sentir-se bem no sodalício.